Charles Bukowski - Ham on Rye: Pão com fiambre


Charles Bukowski, Ham on Rye: Pão com fiambre,
tradução de manuel a. domingos, Lisboa: Ulisseia, 1ª edição, 2010.

18 comentários:

AMC disse...

Finalmente em português. E pelas tuas mãos, vou lê-lo certamente com mais agrado, nem que apenas fosse, para além das tuas restantes e inexcedíveis qualidades, pela tua indefectibilidade bukowskiana.
Já está à venda?
Um grande abraço,
André

Sérgio Lavos disse...

Parabéns, não sabia que tinhas sido tu a traduzir. Talvez seja o começo de melhor trabalho de edição dw Bukowski em Portugal.

André Benjamim disse...

Concerteza que irei comprar. Parabéns.

MCS disse...

Já tinha colocado lá no blogue, mas não sabia de quem era a tradução. Boa.
Já agora aproveito e pergunto: e a poesia dele, está previsto algo?

manuel a. domingos disse...

caro amc: obrigado pelo comentário. espero não defraudar algumas das expectativas que poderão ser criadas. ainda não está à venda. parece que começa a circular lá para o dia 10. é andar atento. abraço amigo.

caro sérgio: era bom que assim fosse. abraço

caro andré benjamim: obrigado pelo comentário. compra que não te arrependes. abraço.

caro mcs: obrigado pelo comentário e pela divulgação. não sei responder-lhe a essa pergunta. abraço.

Valério Cunha disse...

Parabéns Sr. Manuel... Nunca li nada do Sr. Mas este vou comprar ler e dizer com orgulho "Este foi um amigo meu que traduziu" :)
Abraços

Fernando Dinis disse...

Muitos Parabéns!

Miguel Godinho disse...

Boa Manuel. Muitos parabéns. Este autor faz-nos muita falta.
Abraço. Continua o bom trabalho.

Rita F. disse...

Ora muitos parabéns a você! :)
Graças à traduçãozinha, tenho uma série de prendas de Natal resolvidas.

fallorca disse...

Ah Leão da Serra!!!

manuel a. domingos disse...

caro valério: acho bem que assim o faças!

caro fernando: muito obrigado.

caro miguel: faz, sim senhor! muito obrigado.

cara rita: ainda bem que se resolveu esse problema!

caro jorge: Dragão... Dragão da Estrela ;-D

JM disse...

Parabéns! É sempre bom termos acesso à poesia em português - e em bom português, vindo de quem vem - já que sou alérgico ao inglês.
Abraço

manuel a. domingos disse...

caro jm: o livro divulgado (Ham On Rye: Pão com fiambre) não é um livro de poesia, mas sim um romance.
grato pela visita.
com os melhores cumpriemntos

JM disse...

Oooops!!! Pata na poça!
Peço desculpa pelo deslize, mas não tira o mérito ao tradutor! Aguardo pela saída e a ver se chega cá acima!

Anónimo disse...

Olá caríssimos. Comprei há pouco tempo o livro "Correios", deste mesmo autor, traduzido por Rui Lopes e editado pela Antígona. Adorei.

Entretanto pesquisei pela Bertrand e Fnac por este livro "Pão com fiambre", sem sucesso.
Alguém me pode informar se existem livrarias em Lisboa com stock deste livro, ou mesmo se a editora Ulisseia me vende um exemplar?

Cumprimentos
Joana Correia

manuel a. domingos disse...

cara Joana Correia:

já tentou a Wook?
ou encomendar numa loja FNAC? ou Bertrand? acho estranho não o encontrar.

Miguel Godinho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Miguel Godinho disse...

De todos os romances deste autor, é de longe o meu preferido. Uma relíquia. Descobri-o aqui há uns quinze anos numa livraria em Inglaterra, fiquei admirado, pensava que já tinha lido toda a prosa dele. É espantoso como, através daquela aparente frieza na linguagem, há ali uma ternura permanente, algo em que eu nunca tinha reparado antes em nenhum dos outros romances dele. A cena da redacção e da professora a entender que ele não tinha presenciado o evento e a dar-lhe uma boa nota por isso mesmo é do mais comovente. A professora que falava do ''Americanese''. Mítico. Descobri Bukowski por acaso, nos idos de 1995. A televisão tinha pifado e decidi virar-me para a estante. Estava lá o Women. Não consegui conter uma lágrima cúmplice quando, dez anos mais tarde, descobri que existe um grupo checo chamado Chinaski. Ler prosa bukowskiana é mel. Agora escrever como ele... aí é que a porca torce o rabo. Daí que eu tire o meu chapéu a quem se aventura a traduzir a obra dele. Ainda não li a tradução para português mas algo me diz que o Manuel Domingos fez um excelente trabalho. Muitos parabéns desde já :)