Em repeat




Uma pessoa conhece, hoje, um músico de jazz, ouve pela primeira vez numa plataforma digital, vai à discoteca de sempre e compra um álbum desse mesmo músico. Neste caso: Esbjörn Svensson (1964-2008), com o seu Esbjörn Svensson Trio. E agora estou aqui feliz como uma criança a quem deram um brinquedo novo, um rebuçado, uma bolacha Maria. Poucas coisas me fazem feliz. Uma delas é, sem dúvida, ter dinheiro no bolso para poder comprar música.

(...)


Chegar, num dia como o de hoje, à música de Esbjörn Svensson (1964-2008) e pensar que, sem dúvida alguma, o jazz é uma das mais belas formas musicais, quer pela enorme diversidade que nos dá, mas também pela permanente descoberta. E graças às plataformas digitais: tudo se torna mais fácil. Depois, é só procurar o objecto físico e, se possível, comprá-lo.

Ensino Recorrente



(...)


"O meu tempo já passou". Evito esse pensamento, mesmo quando não consigo acompanhar os gostos musicais dos meus alunos, ou a ideia de moda ou de estilo. "O meu tempo já passou" soa-me absurdo, pois quem o afirma fá-lo no seu tempo. Todavia, todos os dias passo por alguém que tem nos olhos essa frase, expressão. É um Senhor de idade, barbeiro de profissão. Encontro-o várias vezes junto à janela do salão de cabeleireira onde trabalha. Olha para as barbearias mais jovens (três quase juntas) e vê-as cheias de gente. Os seus olhos anunciam uma espécie de derrota. Um desistir triste de ver.

Em repeat



(...)


A preparar o próximo livro da Medula. Será o 014. É um livro que começou a ser traduzido em 2013, mas só em Abril deste ano (2020) irá ver a luz do dia. A tradução será minha: Os Cavaleiros Negros e Outros Poemas, de Stephen Crane.

Pensamento do dia



Bobo Stenson Trio
(Bobo Stenson | Anders Jormin | Jon Christensen)
c/ Christof Lauer
Jazz Baltica
1995

Jon Christensen (1943-2020)




Cá em casa posso sempre ouví-lo: Underwear (ECM, 1971) Sart (ECM, 1971) Witchi-Tai-To (ECM, 1973), Dansere (ECM, 1975), The Pilgrim and the Stars (ECM, 1975), Yellow Fields (ECM, 1975), The Plot (ECM, 1976), Nude Ants (ECM, 1979), First Meeting (ECM, 1979), Ondas (ECM, 1981), Journey's End (ECM, 1982) Masqualero (Odin, 1983), Bande a Part (ECM, 1986) Animato (ECM, 1989), Fish Out of Water (ECM, 1989), Khomsa (ECM, 1994), War Orphans (ECM, 1997), From the Green Hill (ECM, 1998).

(...)


Ontem à noite, ao telefone com a minha Mãe, disse-lhe que tinha chovido durante o dia, mas que ao fim da tarde o sol tinha brilhado. Ela disse de imediato — então amanhã vai estar sol — pois parece que assim manda a cultura popular. Ele, o sol, aí está em todo o seu esplendor. Depois de quase duas semanas de céu carregado de cinzento, sabe bem esta luz toda. E, desta vez, não me esqueci dos óculos-de-sol.

Revisão da Matéria



Derek Walcott


Better to lie, to swear some decent pledge,
To resurrect the buried heart again;
To twirl a glass and smile, as in pain,
At a small table by the water's edge.
"Yes, this is best, things might have grown much worse."



em The Poetry of Derek Walcott: 1948-2013, selected by Glyn Maxwell, Londres: Faber & Faber, 2014, p. 44.

Ensino Recorrente



(...)


Ando a ler, devagar mas bem, a poesia de Dereck Walcott. Um dia tentei traduzir dois poemas dele  (que estão ali ao lado). Penso que não me saí mal, mas conheço quem faça melhor, muito melhor. Daí não ter voltado a repetir a façanha.
     Nunca ter passado da mediania, quando exigiam a excelência, não é fácil. "Exigir" talvez seja uma palavra demasiado forte. Mas existia e expectativa, uma espécie de desejo. Nunca cumpri.

(...)


Numa troca de mensagens com um amigo, desabafo: "E o ter um salário certo ao fim do mês garante-me a superficialidade necessária. Sou, no fundo, um burguês. Por mais anarca que gostasse de ser.". É esta a mais pura das verdade. Tenho dito.

Pensamento do dia



Neu!
Negativland
Neu!
Brain Records
1972

(...)


Faço uma pausa na correcção e cotação dos testes. Ouço nos auriculares, pois não quero incomodar os colegas que aqui estão, o álbum Neu! (1972) dos Neu!. A primeira música, Hallogallo, é simplesmente fabulosa. Na realidade, todo o álbum é fantástico. O céu cinzento, lá fora, não corresponde ao sol nos meus ouvidos. 

Ensino Recorrente



(...)


O exagero das pequenas coisas: chegar à escola e ouvir alguém dizer "estive quase um mês a chorar". Descobrir que, afinal, é pelo fim de uma série na Netflix.

Aforismos (2)


A luz do sol
sem qualquer novidade
ilumina a sala


*


O gato
conhece na sombra
o seu calor

Rectificação da Linha Geral - José Alberto Oliveira



José Alberto Oliveira
Rectificação da Linha Geral
Assírio & Alvim
2020

Aforismos


Um pardal num ramo
pesa tanto como
um pardal morto no chão


*


Um está mais perto
do céu
Resta saber qual

(...)


Ontem passei a tarde a ouvir Perry Blake. Há muito que não acontecia. Foi uma espécie de maratona: Perry Blake (1998), Still Life (1999) e California (2002). O meu preferido ainda continua a ser o álbum homónimo. Em 1998 fez-me muita companhia. Ouvi-o vez sem conta em casa e no auto-rádio. House in the Clouds será, para sempre, uma das minhas músicas.

Anónimo disse... (12)



E por falar em paisagens brancas, os comentários a este post são um mimo de presunção e cabotinismo. Há muito que não me divertia tanto. Está de parabéns o novo Sr. Doutor politólogo-geopolítico das tardes da TVI que, numa abordagem profundamente virusal, se mostrou um completo expert em seja-lá-qual-for-o-lugarejo-mais-a-cona-da-prima.