Um poema de Edgar Carneiro


Flores para mortos

Não se comem lírios,
Nem cravos e rosas.
De contrário, os poetas
Não as escolhiam
Para as suas glosas.
Nem as flores seriam,
Agora mais raras,
Cobertura fácil
Para as campas rasas.

em A Faca No Pão, Lisboa, 1981, p. 18.

2 comentários:

Rui Almeida disse...

Manuel, repara lá bem: a edição não é da & etc, mas patrocinada e distribuída por ela.
Mas fora isso... Edgar Carneiro é um belo Poeta, q começou a publicar em... 1934! E tem mais de uma dúzia de livros publicados, o mais recente é deste ano.
Além do mais, é pai de outro belo Poeta: Eduardo Guerra Carneiro (como se constata na dedicatória deste "A Faca no Pão")

manuel a. domingos disse...

tens razão Rui! mas eu entendi patrocinada como editada...

abraço