Um poema de Albano Martins

É preciso arrancar as árvores,
impedir que a noite suba,
descalça, pelos seus ramos.
É preciso, e já.
Antes que a sombra se farte
e nos vomite nos olhos.

de Coração de bússola (1967) em Assim são as algas: Poesia 1950-2000, Porto: Campo das Letras, colecção Campo da Poesia, 1ª edição, 2000, p. 51.

1 comentário: