(...)


Por vezes, ao meio da manhã, o sossego instala-se na sala de estar. A luz entra pelas várias janelas. Os cães param de ladrar. Só a música se ouve. E a respiração dos versos que leio. 

Sem comentários: